segunda-feira, 7 de julho de 2014

Que tal estou?


Que tal estou? 
Leonardo Macena


O que usar? Uma calça, devo colocar?
Só de roupa de baixo é confortável,
Eles vão se incomodar?
Talvez algo bege... Uma cor sem nada a aparentar..
-----

Não sei... Hun... Talvez, é! Não vou só de roupa de baixo...
Talvez me tomariam como indelicado.
Uma coisa sei de fato, preto é sempre de bom trato.
Branco engorda e suja fácil...
 ------

Vou de tênis, mas antes, melhor me preocupar com a meia...
Pois sim, meia é gostosa é não deixa com tanto chulé.
Ah! Meu pé,
que me sustenta,
E como você me aguenta...
------

Não sei se uma camiseta serve...
Vou pôr a de estampa de Jacaré,
Hun.. NÃO! Jacaré não..
Vou pôr a de cavalos marinhos..
Sim esta mesmo....
Valoriza o meu reflexo no espelho.
-----

A calça! Vou pôr aquela com a cor mais detalhada..
Com o tecido mais expeço e um pouco mais larga...
É esta mesmo! Vou sair confiante, serei o mais elegante!
Nossa que festa maneira!
Que bela surpresa,

Meu amigo se vestiu da mesma maneira.

Do quê é que a gente é?


 
 
 
 
 Do quê é que a gente é?

                                               Leonardo Macena.


Bom, estava pensando,
olhando em volta, analisando...
Juntando pontos, questionando,
À mim mesmo perguntando:
Do quê é que a gente é?
 
-----
 
Seria de células?
Pensamentos?
Escolhas?
 
Sentimentos?
 
De palavras, movimento?
-----
 
Peguei, me sentei...
Pensei, pensei e pensei,
 
Em uma conclusão cheguei...
 
A gente é feito do que quiser ser feito!
----- 
Balões, sorrisos, doce,
 
Arroz doce, batata doce,
 
Bolo de chocolate, só chocolate... Ao leite ou com morangos...
 
Situação engraçada, prazeres...
-----
 
 
Uma vista bela, um sopro de brisa em um barco à vela...
 
Uma melodia de gaita, ou o samba do alto da favela...
 
Universos diferentes, com o mesmo reagente...
----- 
 
Ser feito é ser refeito, nem precisa ser perfeito,
  
 Mas ao mesmo tempo olhar o outro,
 
e ver seus próprios defeitos.
-----
 
“Do quê é que a gente é?”
 
Geraria um belo carnaval,
 
Mas se vermos no geral,
 
A pergunta fundamental,
 
é:
 
“Qual será o nosso perfeito final?”